O post de hoje é de autoria do Dr. Luiz Sperry, psiquiatra em SP, que autorizou a divulgação.


Eventualmente eu expresso uma certa desconfiança com a psicofarmacologia atual. Reparando bem, não há nada de realmente novo sob o sol nos últimos anos, sendo o suposto novo, no fundo, apenas o velho com uma roupagem diferente. Os remédios para depressão ainda são os mesmos, antipsicóticos e estabilizadores de humor, idem. Mas há uma discreta novidade, que são os testes farmacogenéticos. O que são? Para que servem?

Bem, os testes farmacogenéticos são um jeito de se conseguir prever não a resposta do tratamento com determinado antidepressivo, mas sim o jeito que o seu corpo vai lidar com determinada medicação. Explico melhor. O principal órgão responsável pelo metabolismo
das medicações é o nosso fígado. Ou seja, a medicação que você toma é processada no fígado e transformada em outras coisas que serão então eliminadas do corpo. Por isso que o efeito de cada medicação tem uma duração determinada; é o tempo que o seu fígado leva para metabolizá-la.

Acontece que existem fígados e fígados. Enquanto alguns fígados são preguiçosos e demoram mais para processar as substâncias, outros são vorazes e metabolizam muito rápido. A grande maioria das pessoas são metabolizadoras normais, e conseguem lidar com os medicamentos da forma prevista. Porém existe uma pequena parcela de aproximadamente 17% de metabolizadores lentos, que demoram a metabolizar as medicações. O resultado disso é que essas substâncias acabam se acumulando no organismo e fazendo um efeito maior que o esperado. Percebemos nesses casos um aumento importante dos efeitos adversos relatados e em consequência mais abandonos de tratamento.

Já os chamados metabolizadores ultrarrápidos têm fígados particularmente eficientes, a droga é rapidamente convertida em outras substâncias e acaba por ter seu efeito rapidamente reduzido. Em geral se apresentam clinicamente como casos de resistência ao uso de antidepressivos ou necessitam de doses muito mais altas do que o usual para ter um efeito perceptível.

As enzimas hepáticas responsáveis por esse processo são chamadas enzimas do citocromo P450 (CYP450). Elas são codificadas geneticamente, de modo que uma análise genética é capaz de indicar se a pessoa é uma metabolizadora rápida ou lenta para cada medicação específica. A análise do CYP 450 não consegue dizer exatamente qual remédio vai funcionar para você, já que o sucesso de um medicamento depende de outras coisas além de seu metabolismo hepático, mas dá boas dicas de quais medicações não se devem usar. Tirando-se fora as que têm maior chance de dar errado aumenta a chance de dar certo, não?.

O que dizem os trabalhos, que indicam que apesar de ser um teste caro (algo entre R$ 3.000 e R$4.000, aqui no Brasil) o uso do teste farmacogenético aumentou a chance de sucesso no tratamento de forma significativo. Olhei os estudos com cuidado e não posso afirmar categoricamente com essa indicação. Sem dúvida ter essa informação de saída vai ajudar na escolha da medicação mas, tendo em vista que é uma menor parte da população que poderia se beneficiar dessa investigação, coloco minhas barbas de molho quanto ao real custo-benefício de fazê-la de forma sistemática.

Observação importante: na ConectGene o painel para medicamentos psicoterápicos custa R$ 1.490,00.

Postado originalmente em: https://luizsperry.blogosfera.uol.com.br/2019/02/11/como-a-farmacogenetica-ajuda-no-tratamento-da-depressao/

As informações contidas neste site são fornecidas apenas como divulgação de informações gerais e não substituem o aconselhamento médico profissional, o diagnóstico ou o tratamento de um profissional de saúde qualificado. Sempre procure o conselho de seu médico ou profissional de saúde quando tiver dúvida sobre ingestão de medicamente ou condição de saúde.

WhatsApp chat